Riscos do uso do celular no ambiente de trabalho

Riscos do uso do celular no ambiente de trabalho

Considerados atualmente mais do que um acessório, os celulares -ou smartphones-, já acompanham as pessoas em suas rotinas diárias. E a presença constante desse dispositivo na vida da sociedade trouxe mudanças na forma como as pessoas dialogam e se relacionam.

O uso do celular pode ser benéfico à medida que viabiliza a comunicação à distância e facilita o acesso à informação. Porém, a utilização desenfreada desse dispositivo pode afetar outras áreas da nossa vida.

A proibição do uso do celular ao volante, por exemplo, se dá porque o aparelho desvia a atenção no trânsito, ocasionando acidentes muitas vezes fatais. E a mesma regra pode ser aplicada no ambiente de trabalho.

Funcionários que utilizam constantemente o celular, apresentam níveis reduzidos de produtividade e concentração, fatores que, em determinadas situações, podem até resultar em uma demissão por justa causa. Portanto, se você é uma daquelas pessoas que fica de olho no Facebook ou WhatsApp durante o expediente, procure abandonar este hábito para não ser prejudicado no ambiente de trabalho.

Apesar da maioria das empresas não proibir totalmente o uso do celular, muitas delas impõem limites e regras para garantir a saúde e o rendimento dos funcionários. Fábricas e indústrias, principalmente, procuram restringir a utilização do aparelho no local de trabalho, pois qualquer descuido no manuseio do maquinário põe em risco não só a integridade física do trabalhador como também a de seus colegas.

Quando o empregado é encarregado de lidar com substâncias químicas, máquinas de corte, fornos, prensas, ou qualquer outra função de risco, é essencial que ele esteja totalmente focado na atividade, e artifícios como o celular já são suficientes para desviar a atenção e causar graves acidentes.

Portanto, salvo exceções de problemas pessoais, ou casos de doença na família, utilizar o celular além do necessário durante o expediente faz do local de trabalho um espaço mais vulnerável e propenso a acidentes.

Por Manoela Campos

Fonte: http://saudeocupacionalbrasil.com.br